A pesquisa realizada durante todo o processo constatou que a farinha de Cruzeiro do Sul é produzida de forma artesanal, com base em conhecimento tradicional.

O município de Cruzeiro do Sul recebeu na manhã desta sexta-feira (24) o selo de Indicação Geográfica da Farinha. A solenidade, realizada no auditório do Instituto de Ciência e Tecnologia do Acre (Ifac), contou com a presença do prefeito Ilderlei Cordeiro, além das demais autoridades representantes de outras instituições como Embrapa, Sebrae, Ministério da Agricultura, Idaf, Seaprof, Central das cooperativas, Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi) e outros.

Germano Gomes, presidente da Central de Cooperativa de Produtores familiares do Vale do Juruá, a Central Juruá, declarou sua felicidade em receberem o selo. “Se inicia uma nova fase da produção da mandioca, através da farinha, e com esse selo serão muitos valores agregados ao trabalho do nosso produtor”, falou.

De acordo com o chefe geral da Embrapa, Eufran Amaral, durante 10 anos a Embrapa e outras instituições governamentais, trabalharam em ações para atestar a qualidade e características diferenciadas do produto, com o objetivo de auxiliar os produtores rurais no processo de obtenção da Indicação Geográfica (IG).

“Nesses dez anos foram muitos parceiros, e graças a isso nós conseguimos chegar hoje com um produto referência. Esse é o primeiro selo nacional de um produto da mandioca, e o terceiro selo da Amazônia de indicação geográfica”, destacou.

A pesquisa realizada durante todo o processo constatou que a farinha de Cruzeiro do Sul é produzida de forma artesanal, com base em conhecimento tradicional. O superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Luziel Carvalho, esteve presente na solenidade e enfatizou que o selo significa um avanço significativo para economia local, levando o nome da região onde for comercializada e não se confundindo mais com a farinha produzida em outros locais.

O superintendente do Sebrae Mâncio Cordeiro, enfatizou que é necessário que todos possam ter a dimensão da importância do selo de indicação geográfica para o desenvolvimento da economia local, sendo agora necessária ainda uma luta maior, a de manter o selo, preservando a qualidade do produto, e que a farinha seja efetivamente produzida como foi descrita mediante as exigências. 
Para o prefeito de Cruzeiro do Sul, este é um momento de alegria, uma vez que o município tem a chance de crescer ainda mais através do desenvolvimento econômico, por meio do principal produto da região.

“Isso mostra o reconhecimento que faltava ir só para o papel, pois onde chegamos no Brasil as pessoas conhecem a nossa farinha e seu sabor. É uma honra receber esse selo durante minha gestão. É um momento que marca a história da nossa cidade, e a história de um produto que é feito por homens e mulheres que lutaram tanto para ter esse reconhecimento, então todos estão de parabéns, mas em especial o produtor rural”, finalizou.

Assessoria de Comunicação

Fonte: Assessoria de Comunicação

Data de publicação: 24/11/2017

Compartilhe!